domingo, 19 de maio de 2013

Mural: "A Palavra Mágica" de Carlos Drummond de Andrade




A professora Paula Vanessa, Língua Portuguesa do Ensino médio, trabalhou com os alunos do 1o. Ano da manhã a Situação de Aprendizagem: "Palavras no Mural".

O trabalho teve como objetivo: relacionar linguagem verbal literária com linguagem não verbal.

A atividade consistia em traduzir o poema "A palavra Mágica" de Carlos Drummond de Andrade em forma de imagem. 

A atividade construiu uma intertextualidade temática entre o poema e a imagem elaborada.


O POEMA:

A palavra mágica

Certa palavra dorme na sombra 
de um livro raro.
Como desencantá-la?
É a senha da vida
a senha do mundo.
Vou procurá-la.

Vou procurá-la a vida inteira
no mundo todo.
Se tarda o encontro, se não a encontro,
não desanimo,
procuro sempre.

Procuro sempre, e minha procura
ficará sendo
minha palavra.



O POETA:


Poeta: Carlos Drummond de Andrade - Foto da Internet


SOBRE O POETA:


CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

Um dos maiores autores da escola modernista nasceu em 1902, na cidade mineira de Itabira. Precisou deixar para trás sua cidade natal ao partir para estudar em Friburgo e Belo Horizonte. Formou-se em farmácia, mas trabalhou em Belo Horizonte como redator em jornais locais até mudar-se para o Rio de Janeiro, em 1934, para atuar como chefe de gabinete de Gustavo Capanema, então nomeado novo Ministro da Educação e Saúde Pública.

Dedicou praticamente sua vida inteira à poesia modernista. Em 1930, seu livro "Alguma Poesia" foi o marco da segunda fase do Modernismo brasileiro. Drummond também falava sobre temas como o desajustamento do indivíduo, ou as preocupações sócio-políticas da época, como em "A Rosa do Povo" (1945). Apesar de serem temas fortes, ele conseguia encontrar leveza para manter sua escrita com humor e uma sóbria ironia.

Tratou, também, de temas infantis, como os livros "O Elefante" (1983) e "História de Dois Amores" (1985). Outra grande área dominada por Drummond, a prosa, contou com uma vasta produção.

Produzindo até o fim da vida, Carlos Drummond de Andrade deixou uma vasta obra. Quando faleceu, em agosto de 1987, já havia destacado seu nome na literatura mundial. Com seus mais de 80 anos, considerava-se um "sobrevivente", como destaca no poema "Declaração de Juízo".

Fonte: http://livraria.folha.com.br/pessoa/7460/carlos-drummond-de-andrade  (acessado em 19.05.2013)


MURAIS DOS ALUNOS:







Santo André - 19 de maio de 2013 - Outono - 23h45min
Fotos: Acervo da Escola João Baptista Marigo Martins
Postado por: Rosangela R. Rosa e Ivan Leite




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário